Lajeado do Bugre realizou V Conferência Municipal de Saúe

A Secretaria de Saúde do Município de Lajeado do Bugre através do Conselho Municipal de Saúde promoveu no dia 17 de junho, nas dependências do salão da igreja Católica a 5ª Conferência Municipal de Saúde. A conferência teve como tema central“Saúde Pública de Qualidade para Cuidar Bem das Pessoas. Direito do Povo Brasileiro”.

A Conferência tem o objetivo de analisar as prioridades locais de saúde, formular propostas no âmbito dos Municípios, dos Estados e da União, e elaborar Relatório Final, com base em Documento Orientador do Conselho Nacional de Saúde, nos prazos previstos.

Evento reuniu agentes da saúde pública, entidades, instituições e sociedade civil em um espaço democrático de construção de Políticas Públicas. Mais de 150 pessoas participaram da conferência.

A temática foi debatida pela palestrante Nair Schuch, enfermeira da 19ª CRS, especialista em Saúde Pública e coordenadora da atenção básica da 19ª CRS. Confira abaixo as propostas levantados pelo público.

.

– Instituir leis específicas de controle, restrição de uso e cuidados regulamentados referente aos agrotóxicos, no contexto da prevenção primária em saúde nas esferas municipal, estadual e federal;

– Melhorar as ações que dizem respeito ao saneamento básico, rede de água de abastecimento e preservação dos rios e lagos;

– Fortalecimento dos Consórcios Intermunicipais de Saúde a fim de proporcionar uma cobertura mais ampla das diferentes especialidades médicas;

– Política mais efetiva em relação à instalação do CEOs (Centros de Especialidades Odontológicas) de modo que beneficie o acesso a todos os municípios;

– Possibilitar e proporcionar permanente qualificação dos profissionais de saúde efetivos voltada ao atendimento e necessidades constatadas no dia a dia n trabalho no SUS;

– Fortalecimento dos Programas de Saúde já existentes inclusive co reajuste periódico dos repasses financeiros que garantam as condições de funcionamento.

– Parar com a falta de continuidades de bons programas de saúde implantados a cada governo que assume seu mandato. Muitas vezes o governo que assume seu mandato abandona programas bons existentes de outros governos e lança novos muitas vezes com as mesmas funções;

– Fortalecimento da ESF (Estratégias de Saúde da Família) incluindo mais profissionais como obrigatórios nas equipes básicas; com reajuste periódico dos repasses financeiros para evitar sub-financiamento do programa, sobrecarregando os municípios;

– Efetivar a Reforma Psiquiátrica (Lei nº 10.216/2001 e Lei nº 9716/92) com ampliação e fortalecimento da rede de atenção psicossocial no âmbito estadual e nacional;

– Instituir os Conselhos Municipais de Saúde com recursos financeiros auto-suficientes e com remuneração dos conselheiros para maior comprometimento em suas ações e atribuições e para que desta forma tenha condições financeiras autônomas para maior participação nas Conferências de Saúde bem como proporcionar acesso capacitações dos conselheiros para melhor exercício de suas atribuições.

– Rever a questão da Insalubridade dos trabalhadores da saúde.

– Instituir Plano de Carreira elaborado para que todos os profissionais sejam valorizados dentro da sua área de formação.

– Valorização dos profissionais pela qualificação (resultados para melhor qualidade de trabalho).

– Oferecer condições de trabalho adequadas para os trabalhadores de saúde.

– Formação profissional que proporcione visão global do usuário.

– Planejamento dos atendimentos com base nas informações coletadas por vários profissionais.

– Proporcionar de forma permanente a capacitação dos gestores de saúde;

– Reorganização dos recursos;

– Disponibilização dos 12% à saúde, do produto de arrecadação dos impostos;

– Parar com o sub-financiamento dos serviços de saúde nas esferas estadual e federal, o que sobrecarrega os municípios e compromete o acesso qualidade dos serviços prestados.

– Parar com o atraso no repasse de recursos financeiros dos programas de saúde já implantados tanto pelo estado como pela união, prática essa inaceitável na área da saúde, mas que se repete.

– O financiamento do SUS deve ser organizado de modo que preveja reajuste financeiro nos repasses de forma periódica e coerente com variáveis como índices de inflação e necessidades regionais isso nas esferas municipais, estaduais e federais,

– Proporcionar espaço físico adequado para atendimento que proporcione acolhimento dos pacientes;

– Proporcionar atividades de prevenção nas comunidades;

– Planejar o atendimento e as estratégias baseadas na realidade das comunidades;

– Ter programas de saúde que disponibilizem profissionais para trabalhar somente na educação em saúde (além daqueles que fazem o atendimento individualizado e consultas);

– Realizar a gestão focando o trabalho em rede;

– Fazer atividades nas comunidades com o Conselho Municipal de Saúde e com a equipe de saúde em todas as comunidades;

– Proporcionar de forma permanente a capacitação dos gestores de saúde;

– Aprimorar e integrar os vários sistemas de informação do SUS utilizando uma única base de dados, garantindo suporte técnico e manutenção adequados que inclua as informações do cartão SUS , do prontuário eletrônico de acesso amplo nacional, dos dados de empregos e funções dos dados previdenciários, dos exames e dos procedimentos realizados;

– Utilização de Sistema de Informação do SUS integrado que se consiga registrar  as ações realizadas, que gerem relatórios de forma objetiva para outras ações como  a pactuação dos indicadores de saúde;

– Investir em laboratórios farmacêuticos públicos e estatais para ampliar a pesquisa própria, as possibilidades de transferência de tecnologias para produção nacional de medicamentos de interesse do SUS;

– Diminuição de impostos para medicamentos;

Demandas municipais:

a)  Rever o processo para melhorar agilidade no processo de licitações para não atrasar compras de materiais de saúde e nem se perder em qualidade

b)  Melhorar a organização no atendimento de emergência, com infraestrutura necessária e plantões disponíveis;

c)  Trabalho preventivo para idosos voltado aos cuidados e preservação da audição e visão;

d)  Organização o atendimento facilitado aos idosos;

e)  Instituir programa ou estratégia que facilite o acesso ao Ginecologista de forma adequada desde a adolescência para evitar doenças e gravidez precoce;

f)  Estabelecer e/ou fortalecer o acesso para as especialidades de Oftalmologista, Fonoaudiologista e Neurologista.

g)  Implantar Plano de Carreira dos Funcionários da Saúde com gratificação por qualificação.

h)  Rever a questão da Insalubridade dos trabalhadores da saúde;

i)  Oferecer condições de trabalho adequadas para os trabalhadores de saúde.

 

MAIS FOTOS, ACESSE:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1756959561197611&set=pcb.1756960491197518&type=1&theater

 

zc1_w756__5545ed15e48ed4818f1c00155abac90e8d233745ec022d2377f6677cd0b41974_e8r7o

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.